Ereção incompleta: como é possível melhorar o desempenho?

São muitas as dúvidas que os pacientes têm em relação à ereção incompleta. Tem tratamento?  Veja nesse post como entender melhor os problemas de ereção.

No consultório, são muitas as dúvidas que os pacientes têm em relação à ereção incompleta. O que isso significa? Tem tratamento? Eles vão conseguir retomar a vida sexual? 

Veja nesse post como entender melhor os problemas de ereção e também encontrar o tratamento mais adequado.

O que é uma ereção incompleta?

Uma  ereção incompleta é uma das apresentações da  disfunção erétil ou impotência sexual e pode ser provocada por várias causas, mas para entender do que se trata esse problema, em primeiro lugar será preciso entender o que é a ereção.

Uma ereção começa no cérebro do homem, quando ele recebe algum estímulo tátil, visual, olfativo, auditivo ou mesmo se pensou em sexo, os nervos enviam mensagens por diferença de potencial elétrico, que depois transformam-se nas terminações nervosas em mensageiros químicos, dando estímulo para  os vasos sanguíneos do pênis. Então, os corpos cavernosos do pênis vão se dilatar e permitir o aumento  do fluxo sanguíneo no local.

Assim o pênis aumenta e fica rígido de forma suficiente para promover uma relação sexual completa, com penetração. Quando ocorre a ejaculação, ocorre  um estímulo contrário que faz com que os vasos e os corpos se contraiam facilitando o  escoamento do sangue pelas veias.  

Uma ereção incompleta pode ser definida quando ocorre algum problema para tornar essa rigidez plena, ou seja, o homem consegue ficar parcialmente ereto, com uma ereção fraca, de curta duração. Assim, não é possível manter a satisfação sexual entre o casal.

Quando o homem tem problemas de ereção, ele poderá viver mergulhado em estresse e ansiedade, ter problemas em seus relacionamentos, ter pouca confiança em si mesmo e ficar muito insatisfeito com a própria vida sexual.

São muitas as dúvidas que os pacientes têm em relação à ereção incompleta. Tem tratamento?  Veja nesse post como entender melhor os problemas de ereção.

Ereção incompleta: causas 

A ereção incompleta pode ocorer por insuficiência na pressão de enchimento nas artérias do pênis ou por escape venoso (falha no sistema que retém o sangue dentro do pênis). 

O problema também pode ser causado por degeneração e fibrose do corpo cavernoso (tecido peniano), doença de peyronie, placas de aterosclerose nas artérias do pênis (gordura e entupimento das artérias do pênis), enfraquecimento muscular do assoalho pélvico, problemas hormonais, problemas neurológicos, emocionais e também por problemas de circulação ocasionados por doenças crônicas.

Se há um problema no fluxo sanguínea para ereção, é possível que outras condições médicas estejam por trás. Por exemplo, quando ocorre uma ereção incompleta, diabetes pode ser o motivo dessa disfunção sexual.

Vamos apresentar as principais causas físicas e emocionais para o homem ter uma ereção incompleta:

Causas físicas ou que incluem condições médicas

Os pacientes que têm ereções incompletas devido a causas físicas, não necessariamente são  pacientes mais idosos ou com comorbidades. Isso pode ocorrer por problemas vasculares porque a artéria cavernosa está obstruída ou a microvascularização do pênis está prejudicada.

Nesses casos, normalmente, essa ereção incompleta ocorre em mais de 50% das tentativas de relação sexual. 

Normalmente, o início desse problema é gradativo, as ereções matinais vão ficando mais fracas e até mesmo na masturbação ocorrem falhas. Vamos conhecer as principais causas físicas (orgânicas):

  • Enfraquecimento do assoalho pélvico, que é motivada tanto pela idade, como pelo sedentarismo;
  • Doenças cardíacas;
  • Problemas hormonais (testosterona baixa, aumento da prolactina, alteração na relação testosterona estradiol; SHBG alto com testosterona livre baixa… );
  • Aterosclerose;
  • Diabetes;
  • Hipertensão;
  • Colesterol alto;
  • Obesidade;
  • Redução de colágeno (síntese da substância pode ser deficiente e prejudicar também a ereção);
  • Doenças hepáticas e renais;
  • Doença de Peyronie (pênis torto);
  • Mal de Parkinson;
  • Mal de Alzheimer;
  • Esclerose múltipla;
  • Lesão na medula espinhal;
  • Ingestão de certos medicamentos (antidepressivos, betabloqueadores, etc);
  • Tratamentos para a próstata – Retirada total da próstata por câncer de próstata, por exemplo (veja vídeo abaixo);
  • Alcoolismo;
  • Uso de drogas;
  • Tabagismo.

Causas psicológicas

Quando a ereção incompleta é provocada por questões psicogênicas, normalmente, o início do problema é mais repentino, pode ser intermitente e situacional. Atinge, em geral, homens mais jovens. 

Normalmente, quando o homem está dormindo, pode ter várias ereções ao longo da noite. Se as causas da disfunção erétil são emocionais, em geral, a ereção matinal continua preservada. Nesta situação, a ereção  na masturbação  também costuma ser boa. Vamos entender as principais causas de uma ereção incompleta provocada por questões psicológicas:

  • Ansiedade de desempenho;
  • Problemas no relacionamento;
  • Preocupações excessivas com questões sociais, profissionais ou financeiras;
  • Vício em pornografia (que pode tornar os homens indiferentes à prática sexual com uma parceira ou parceiro);
  • Depressão.

Tipos de ereção

No Brasil,  segundo dados da Sociedade Brasileira de Urologia, pelo menos 50% dos homens já sofreram de algum tipo de ereção incompleta em algum momento da vida, mas o problema pode se agravar após os 40 anos. Abaixo dos 40 anos, de 15% a 25% dos homens podem ter episódios de impotência.

Entenda os principais tipos:

  • Disfunção erétil primária: o homem nunca conseguiu ter uma ereção de qualidade. Desde o início das atividades sexuais refere ereções fracas e perda da ereção;
  • Disfunção secundária: esse é o tipo mais comum, quando o homem sempre teve ereções de qualidade, mas começa a ter problemas para tornar o pênis rígido em algum momento da vida;
  • Disfunção situacional: quando a ereção é incompleta apenas em algumas situações ou com algumas pessoas;
  • Disfunção erétil grave: quando a falta de ereção é total em qualquer situação, mesmo usando medicações em doses máximas.

São muitas as dúvidas que os pacientes têm em relação à ereção incompleta. Tem tratamento?  Veja nesse post como entender melhor os problemas de ereção.

Ereção incompleta: tratamento

Para início de tratamento, o paciente deverá buscar um urologista, para fazer a consulta e apresentar o seu histórico médico e até revelar seus hábitos para que ele comece o diagnóstico.

Em uma consulta, o urologista vai ouvir o histórico da função sexual do paciente para entender melhor a motivação do problema. Com essa anamnese (consulta) bem realizada, já é possível entender 80% do que provocou a disfunção.

Depois o médico deverá indicar exames laboratoriais, que podem investigar problemas hormonais, como testosterona baixa ou problemas tireoidianos, e também fazer um exame de imagem, conhecido como doppler peniano, que vai investigar o fluxo sanguíneo do pênis.

São possíveis tratamentos para todos os graus de impotência masculina.

Tantas as causas físicas (orgânicas) ou psicológicas precisam ser tratadas. 

Vida saudável

Antes de falar em tratamentos, é imprescindível lembrar que preservar hábitos saudáveis ao longo da vida poderão prolongar a vida sexual de qualidade de um homem, como praticar exercícios de forma regular e na intensidade de acordo com o limite do paciente, ter uma alimentação balanceada, dormir bem e reduzir o estresse.

Realizar treinos cardiorrespiratórios também são importantes para melhorar o fluxo sanguíneo do pênis, como corrida, ciclismo, natação e outras práticas aeróbicas.

Tratamento para causas físicas

Para tratar a ereção incompleta, o paciente poderá ser indicado pelo médico a fazer o devido controle de suas condições médicas, mas há outros passos que também podem ser tomados:

– Controle de hipertensão, diabetes, colesterol alto e triglicerídeo, combater à obesidade, parar de fumar e diminuir ingestão de álcool;

1 – Tratamento Clínico: 

Medicamentos: ingestão de medicamentos que são os inibidores das 5 fosfodiesterase (Sildenafil, Tadalafila, etc), mas antes, é preciso definir esquema de uso, dose e avaliar contraindicações;

Tratamento com ondas de choque

Essa terapia com ondas de baixa intensidade trata a causa da disfunção, e é indicada para pacientes que têm ereção incompleta provocada por problemas vasculares; 

Tratamento de reabilitação peniana

Indicada para pacientes que fizeram cirurgia de próstata, pacientes que ficaram em inatividade sexual e outros casos que evoluíram para disfunção erétil; o tratamento inclui vacuoterapia (bombas penianas) e fisioterapia do assoalho pélvico;

Reposição hormonal

Quando a parte hormonal do homem está desregulada, um dos tratamentos para resolver a questão sexual é a reposição de testosterona, que é o principal hormônio sexual masculino;

2- Tratamento Injetável

A terapia intracavernosa é um pouco mais invasiva e paliativa, consiste em aplicações de injeções diretamente no pênis; É um tratamento que tem uma potência maior do que medicações via oral. Muitos atores de filmes eróticos utilizam este recurso para ereções mais prolongadas em situações adversas. 

3 – Cirurgia de implante peniano

Para casos de impotência que não funcionaram com medicações, o mais indicado é a cirurgia de prótese peniana. Este tratamento é o que tem o maior grau de satisfação por ser muito eficaz e não ficar dependendo de remédios. 

Tratamento para causas psicogênicas

Se for comprovado que o paciente está com disfunção erétil por problemas psicogênicos, o médico deverá encaminhá-lo para uma terapia, que poderá incluir a participação dos parceiros.

Muitos tratamentos também podem exigir a ingestão de algumas medicações. Porém, paciência e tempo são os principais pré-requisitos para começar a ver esses resultados. 

Conclusão

Para cada caso de disfunção erétil, o médico vai apresentar uma solução, que será decidida junto com o paciente. 

Mas o que é certo para todos os casos é que quando o paciente consegue tratar a sua ereção incompleta e manter sua função sexual ativa, ele também estará contribuindo muito com a sua saúde como um todo. 

Além disso, ao começar a ver os resultados do tratamento, questões como a autoestima e confiança também aumentam, fazendo muito bem ao homem!

 

Home – Marco Túlio

Dr. Marco Túlio Cavalcanti Urologista e Andrologista. Disfunção Erétil e Impotência sexual: dê fim a esse tormento. Prótese do Pênis: a retomada da sua vida sexual. Doença Peyronie: correção da curvatura, recuperação do tamanho e calibre do pênis. Reposição Hormonal: retome o seu desempenho.

Instagram: @dr.mtcavalcanti

Youtube: Dr. Marco Túlio Cavalcanti

www.drmarcotuliourologista.com.br

Leia também

Pornografia digital, NoFap e disfunção erétil: qual a relação?

Pornografia digital, NoFap e disfunção erétil: qual a relação?

Vem crescendo o número de artigos que relacionam o consumo exagerado de pornografia digital com a disfunção erétil. Por outro…
Chip de testosterona: como funciona?

Chip de testosterona: como funciona?

Já ouviram falar em chip de testosterona? Essa tem sido uma forma de tratamento quando os homens estão com um…
Pênis curvo: quando pode ser um problema?

Pênis curvo: quando pode ser um problema?

Muitos homens tem o pênis curvo, mas em alguns casos, essa característica pode representar um problema que vai afetar bastante…
Translate »